jusbrasil.com.br
4 de Junho de 2020

A advocacia home office e o "Doutor, onde fica o seu escritório?"

Márcio Costa, Advogado
Publicado por Márcio Costa
ano passado

Atuar na advocacia home office é algo que tem se tornado comum, muito em virtude dos custos inicias quase inexistentes. Afinal, quase todo mundo tem um smartphone ou notebook, existe uma série de aplicativos que facilitam a redação de documentos e edição de fotos, assim como alguns sites de demandas que aproximam os clientes dos que possuem poucos ou nenhum contato profissional.

Contudo, é fácil perceber logo nos primeiros atendimentos que o público não internalizou ainda a ideia. Grande parte das pessoas quer saber do endereço do escritório do advogado, como se por tê-lo, existisse mais credibilidade, mais confiabilidade e mesmo status.

A solução para tal, pelo menos para mim, foi alugar uma sala apenas para a reunião com o cliente ou pedir emprestado o escritório de um amigo, caso exista a disponibilidade.

Para clientes mais abertos à ideia do atendimento fora do escritório, marco reuniões em restaurantes e cafés, algo que vejo com potencial. É interessante retirar parte do ar de formalidade da conversa, quando possível.

Creio que a ideia do home office, mais que encarar o desafio de não ter o escritório físico e tudo que o acompanha, é partir para a resolução dos problemas com criatividade e mente aberta.

A simplicidade e objetividade no atendimento e demandas dos clientes é um passo seguro para consolidar sua identidade no tempo, caso esse seja seu objetivo.

Você que atua home office tem algum exemplo de problema que foi resolvido com criatividade e simplicidade? Compartilhe.

16 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Oi, Marcio!

Que texto bacana, cara!

Eu advogo em home office desde Janeiro de 2017. Ganhei não só liberdade geográfica, mas, acima de tudo, a leveza de dividir meu tempo com outras coisas que são importantes pra mim.

Gostei muito também do seu resumo no perfil. Deu pra perceber que você busca fazer algo diferente nesse mundo.

Continue escrevendo!

Abraços! continuar lendo

Obrigado, Pedro. Acompanho o que você escreve e gosto muito dos textos e principalmente das dicas para quem tenta trabalhar assim. Um dos primeiros textos que li sobre o assunto e que me ajudou muito me motivando foi seu. Abraço. continuar lendo

Me diga aí: quem não gosta dos textos do @pedrocustodion? Ninguém!
E agora tem um outro Doutor que segue esta mesma trilha e se chama Dr.Márcio Costa!
Que maravilha!

Obrigada pelo texto disponibilizado.
Vi que este é o seu segundo artigo, Dr.Márcio!
Já me inscrevi e aguardo o terceiro, o quarto, o quinto... continuar lendo

Respondendo ao tema do texto:
Eu amo trabalhar no sistema de home office.
Sou disciplinada, organizada, tenho tempo, saúde, inspiração, sala adequada, climatizada, independente, nada suntuoso, mas nada vergonhoso para a minha realidade social e financeira verdadeiramente assumida.
Quando preciso, de fato, atender um cliente pessoalmente, sigo para um coworking qualquer e fica tudo bem!
Nunca me senti diminuída por isto. Pelo contrário: senti dinheiro sobrando no bolso, pois economizei bastante ao fechar meu escritório físico que consumia uma bolada.
Reconheço que precisei mudar drasticamente a visão, pois era muito conservadora neste aspecto e nem me imaginava sem um big escritório sede para atender o meu cliente.
Óbvio que é importante o Advogado ter um endereço fiscal (e tenho), atendentes para recepcionar clientes e anotar recados (tenho), receber encomendas, etc, só que tudo isto pode ser feito de forma simples, barata e num coworking à escolha do Advogado.
Não curto atender clientes em cafés, acho estranho e esquisito... Quem sabe, um dia eu troque de ideia também! Rsrsrsrsrs

Grande texto, Dr.Márcio! continuar lendo

Oi, querida Fátima!

É muito inspirador ver uma advogada tão séria e experiente como você trabalhando dessa forma. Soa como um "endosso" pra mim - e tenho certeza que para o Marcio também! Haha :)

Abraços! continuar lendo

Entendi. Creio que esse é o caminho mesmo. Atualmente tenho uma palavra em mente em tudo que vou fazer: simplicidade. O que não quer dizer que não possa dar trabalho ou ser bem feito. Sobre atender clientes em ambientes mais informais, geralmente que ta começando advoga para conhecidos, isso facilita, e até deixa o atendimento mais fluído. Contudo, creio que é preciso pesar o nível de abertura que possa existir na relação profissional. Obrigado pela colaboração! :) continuar lendo

Parabéns pelo texto Marcio! continuar lendo

Obrigado! :) continuar lendo

Obrigado @fatimaburegio :) continuar lendo